domingo, 17 de outubro de 2010

Para tornar isto interessante. Ou quarta-feira, como o dia em que acabo no hospital e me torno um case study de enxovalho público. 1.ª tentativa.

Quem teve paciência para me ver e ao Ricardo na ida ao canal Q (mais paciência para mim do que para ele, claro), sabe como começou isto tudo: estava no bar da piscina do hotel onde passava férias no Funchal e a televisão sintonizada na Sporttv passava uma reportagem dedicada a uma maratona para os lados de Tróia. Disse para a pessoa que estava junto a mim que iria correr a meia-maratona. A pessoa ao lado, que sabia que não corria há mais de dez anos, que tinha vícios estúpidos e nunca acreditou que fosse capaz, não manifestou grande incentivo. Estou aliás em crer que, continuando a beber a sua coca-cola de verão (de verão, porque a bebida faz celulite e durante o resto do ano abstém-se de tais práticas), nem sequer processou devidamente o que dizia. Sim, sim, fala para aí, não tapes o sol.

Terça-feira, regresso ao Funchal. Quarta-feira, tento retribuir o que disse há dois meses e picos. É uma primeira tentativa para atingir a meta que delineei dali a uns quantos meses: em março do próximo ano, para ser rigoroso. Se o digo aqui, é só porque gosto sempre de um bom desafio. E estou sempre pronto para o enxovalho público.

Quem atira a primeira pedra? Ou garrafa de coca-cola.

Sem comentários:

Enviar um comentário