terça-feira, 24 de agosto de 2010

Das dores.

No passado domingo, comecei a correr com dores nos joelhos. Nos dois, que como noutras coisas, as dores funcionam aos pares. Comecei com o aquecimento de correr um minuto e andar outro até me sentir mais à vontade para fazer a corrida de forma contínua.

Logo ao início tentei um sprint e o joelho direito, sobretudo esse, ressentiu-se. Depois as dores continuaram. Ao longo dos 80 minutos. Não o conto por heroísmo, ou para dizer que a corrida supera tudo. Não supera, porque as dores continuaram e a certa altura tentei aliviar o joelho direito e comecei a forçar mais o esquerdo.

Resultado? Desde domingo ando aos caídos e, mesmo após um dia de descanso (ontem), continuo a ter dificuldades a andar sem coxear. O joelho esquerdo agora é o que está pior. O Ricardo está na mesma. Anda a Voltaren, gel e gelo. Provavelmente vou ter de seguir a mesma terapêutica.

Toda a gente diz que terá sido excesso de esforço. Possivelmente foi, mas talvez seja também falta de técnica. Seja como for, hoje volto à pista, no Estádio Universitário. Se cair para o lado, já sabem: foi um dos joelhos. Sim, porque lá por as dores serem nos dois joelhos, não quer dizer que se o mau ceder, o bom vai ser suficiente para me conseguir manter de pé.

2 comentários:

  1. lá está... retomando um comentário que deixei num post do Luís Ricardo Duarte, esta descrição das mazelas aponta para

    1 - mau aquecimento
    Antes da corrida - e especialmente para quem está a (re)começar - convém fazer aquecimento específico das articulações. Neste caso, rodar joelhos, fazer algumas flexões suaves, saltitar suavemente, esticar um pouco as pernas, puxar joelhos para o peito, etc

    2- Treino demasiado intenso
    Os primeiros vinte minutos devem ser de corrida ligeira, para garantir um correcto aquecimento das articulações e músculos. só depois vêm os sprints os ritmos mais esforçados

    3- Má postura
    A posição defensiva da perna resultou em dores no joelho esquerdo. Com o tempo e com a ajuda de corredores mais experientes e de revistas da especialidade, aprende-se as correcções a fazer.

    Além da pomada e do gelo, se a dor continuar, é melhor parar dois dias. E retomar a um rimo mais suave em cima da relva, para minimizar o impacto ao solo.

    cumps
    André

    ResponderEliminar
  2. Se queres que te diga, Paulo, acho que isso é o teu corpo a dizer que tens que fazer as coisas com mais calma. Mas isto sou eu a falar, o gajo do grão a grão e do pouco a pouco, sempre a evoluir de forma muito gradual, sem pressas.
    Cada um tem o seu ritmo, claro, mas acho que a ideia é chegar à mini-maratona em forma, não
    em fanicos.

    ResponderEliminar